sábado, 13 de maio de 2017

Mãe

                                               
                          MÃE...

                   São três letras apenas,
                   As desse nome bendito:
                   Três letrinhas, nada mais...
                   E nelas cabe o infinito
                   E palavra tão pequena - confessam mesmo os ateus -
                   És do tamanho do céu
                   E apenas menor do que Deus!

                                                   Mario Quintana
                                                 
Imagem ; Paula Modersohn-Becker
                                                      
                                    MÃE

                     Mãe que adormente este viver dorido.
                     E me vele esta noite de tal frio,
                     E com as mãos piedosas até o fio
                     Do meu pobre existir, meio partido...

                     Que me leve consigo, adormecido,
                     Ao passar pelo sítio mais sombrio...
                     Me banhe e lave a alma lá no rio
                     Da clara luz do seu olhar querido...

                     Eu dava o meu orgulho de homem – dava
                     Minha estéril ciência, sem receio,
                     E em débil criancinha me tornava,

                     Descuidada, feliz, dócil também,
                     Se eu pudesse dormir sobre o teu seio,
                     Se tu fosses, querida, a minha mãe! 


                                                   Antero de Quental

Imagem ; Paula Modersohn-Becker

                                Minha Mãe

                        Minha mãe, minha mãe, eu tenho medo
                       Tenho medo da vida, minha mãe.
                       Canta a doce cantiga que cantavas
                       Quando eu corria doido ao teu regaço
                       Com medo dos fantasmas do telhado.
                       Nina o meu sono cheio de inquietude
                       Batendo de levinho no meu braço
                       Que estou com muito medo, minha mãe.
                       Repousa a luz amiga dos teus olhos
                       Nos meus olhos sem luz e sem repouso
                       Dize à dor que me espera eternamente
                       Para ir embora.  Expulsa a angústia imensa
                       Do meu ser que não quer e que não pode
                       Dá-me um beijo na fonte dolorida
                       Que ela arde de febre, minha mãe.

                       Aninha-me em teu colo como outrora
                       Dize-me bem baixo assim: — Filho, não temas
                       Dorme em sossego, que tua mãe não dorme.
                       Dorme. Os que de há muito te esperavam
                       Cansados já se foram para longe.
                       Perto de ti está tua mãezinha
                       Teu irmão. que o estudo adormeceu
                       Tuas irmãs pisando de levinho
                       Para não despertar o sono teu.
                       Dorme, meu filho, dorme no meu peito
                       Sonha a felicidade. Velo eu

                      Minha mãe, minha mãe, eu tenho medo
                      Me apavora a renúncia. Dize que eu fique
                      Afugenta este espaço que me prende
                      Afugenta o infinito que me chama
                      Que eu estou com muito medo, minha mãe.

                              Vinicius de Moraes
Imagem : Brian Kershisnik


“Teus filhos não são teus filhos
São filhos e filhas da vida, anelando por si própria
Vem através de ti, mas não de ti E embora estejam contigo, a ti não pertencem.
Podes dar-lhes amor mas não teus pensamentos,Pois que eles tem seus pensamentos próprios.
Podes abrigar seus corpos, mas não suas almas Pois que suas almas residem na casa do amanhã, Que não podes visitar se quer em sonhos. Podes esforçar-te por te parecer com eles, mas não procureis fazei-los semelhante a ti, Pois a vida não recua, não se retarda no ontem.
Tú és o arco do qual teus filhos, como flechas vivas, são disparados… Que a tua inclinação na mão do Arqueiro seja para alegria.”

                                                                          Khalil Gibran 


Imagens: Cassandra Barney




                              Pequeno Poema

                          “Quando eu nasci,
                          ficou tudo como estava.
                          Nem homens cortaram veias,
                          nem o Sol escureceu,
                          nem houve estrelas a mais…
                          Somente,
                          esquecida das dores,
                          a minha Mãe sorriu e agradeceu.
                          Quando eu nasci,
                          não houve nada de novo
                          senão eu.
                          As nuvens não se espantaram,
                          não enlouqueceu ninguém…
                          Pra que o dia fosse enorme,
                          bastava
                          toda a ternura que olhava
                          nos olhos de minha Mãe…”
                                     
                                                          Sebastião da Gama

Imagem ; Paula Modersohn-Becker



sábado, 25 de fevereiro de 2017

Dois Poemas de Mia Couto

                                                         FALTA DE REZA

                                                    Por insuficiência de reza,
                                                    por falsidade de crença
                                                    meu anjo me culpou
                                                    e vaticinou eterna penitência.

                                                    Mas não ajoelho
                                                    nem peço desculpa.
                                                    Não quero um deus
                                                    que vigie os vivos
                                                    e peça contas aos mortos.

                                                    Um deus amigo
                                                    que me chame por tu
                                                    e que espere por mim
                                                    para um copo de riso e abraços:
                                                    esse é o deus que eu quero ter.

                                                    Um deus
                                                    que nem precise de existir.



                                                               A COISA


                                                      O silêncio é o modo
                                                      como o marido habita a casa.

                                                      Vencida a porta, ao final do dia,
                                                      o homem assume porte e posses.

                                                      A mesa é onde os seus cotovelos
                                                      derramam milenares cansaços.

                                                      Nesse cotovelório
                                                      vai trocando vida por idade.

                                                      Partilha a medonhez dos bichos:
                                                      medo do silêncio,
                                                      mais pavor ainda das palavras.

                                                      Para a mulher,
                                                      Porém, ele não é senão um menino
                                                      no aguardo de um agrado.

                                                      Em redor do silêncio
                                                      ela rodopia, sem voz, sem cheiro, sem rosto.

                                                      Em solidão,
                                                      o homem come,
                                                      merecedor do que lhe é servido.

                                                      Depois,
                                                      bebe como se fosse bebido,
                                                      tragado pelo vazio dos desertos.

                                                      Dono do seu despovoado,
                                                      então, ele a agride, com ferocidade de bicho.

                                                      A mulher se estilhaça no soalho,
                                                      sombrio retrato da parede tombado.

                                                       No leito,
                                                       já servido o marido,
                                                       as lágrimas vão colando os seus fragmentos.

                                                       E a esposa volta a ser coisa.

                                                                                                MIA  COUTO


Fonte : Poemas escolhidos / Mia Couto ; apresentação José Castello  -   1ª- ed. -   São Paulo : Companhia das Letras, 2016.


segunda-feira, 23 de janeiro de 2017


                          Oportunidade

             Ofendem-me os que dizem que não voltarei,
             Porque bati à tua porta e não te encontrei;
             Porque todas as noites  permaneço à tua porta,
             E ordeno que despertes e te ergas para lutar e vencer.
             Não chores pelas preciosas chances que passaram;
             Não chores pela idade de ouro que se foi;
             Todas as  noites queimo o registro do dia;
             Ao erguer do sol, todas as almas nascem de novo.
             Ri como um menino aos esplendores que passaram.
             Às alegrias que se esvaíram, sê surdo e mudo.
             O meu julgamento sela o passado que morreu,

             Mas nunca prende um momento ainda por vir.
             Mesmo afundado na lama, não torças as mãos nem chores.
             Dou o meu braço a todos os que dizem: “Eu posso!”
             Nenhum pária algum dia caiu tão baixo
             Que não pudesse erguer-se e ser um homem novamente!
             Lastimas a mocidade Perdida?
             Hesitas em desfechar o golpe merecido?
             Volta-te então dos arquivos apagados do passado,
             E encontrarás as brancas páginas do futuro.
             Choras por uma pessoa amada? Liberta-te da magia;
             És um pecador? O pecado tem perdão;
             Cada manhã te dá asas com que voar do inferno,
             Cada noite uma estrela para te guiar aos céus.

                                                   Walter Malone,  In  “Opportunity”


   Fonte: A Lei do triunfo Napoleon Hill,  36º Edição Ed.José Olympio  ,Pág. 608 e 609
  
                      Imagem   http://www.alinecarvalhotri.com/2015/12/12/eu-acredito-no-impossivel

Ser feliz





Existe somente uma idade para a gente ser feliz, somente uma época na vida  de cada pessoa em que é possível sonhar e fazer planos e ter energia bastante para realizá-los a despeito de todas as dificuldades e obstáculos. Uma só idade para a gente se encantar com a vida e viver apaixonadamente e desfrutar tudo com toda intensidade sem medo nem culpa de sentir prazer. Fase dourada em que a gente pode criar e recriar a vida à nossa própria imagem e semelhança e vestir-se com todas as cores e experimentar todos os sabores e entregar-se a todos os amores sem preconceito nem pudor. Tempo de entusiasmo e coragem em que todo desafio é mais um convite à luta que a gente enfrenta com toda disposição de tentar algo NOVO, de NOVO e de NOVO, e quantas vezes for preciso. Essa idade tão fugaz na vida da gente chama-se PRESENTE e tem a duração do instante que passa.

                                                                                                                 Mário Quintana


      Imagens : https://www.google.com.br/search?q=imagem+alegriabelasmensagens.com.br                                                                                                      

sábado, 7 de janeiro de 2017

Lana Del Rey - Born To Die





                                              Oração do Tempo


"Tudo o que lhe peço, Tempo, é que me salve do meu coração. Dessa entrega absurda de ir até o outro e me deixar sem mim. O que lhe peço, Tempo, é o caminho do meio. Aprender a receber antes de me entregar. Ver além. Peço que me devolva a mim mesma. Que eu me reconheça e me acolha. Me aqueça em meus buracos escuros e definitivamente me toque. Que eu saiba cuidar somente do que me cabe. E deixe ir. E deixe vir. Natural, inteira e suavemente. Que a vida me encontre distraída, sem a ânsia de buscar o que não sei. O que não vale. O que não é. O que lhe peço, Tempo, é a aceitação do tempo e da vida como ela é. Sei que ela me aguarda plena e legítima. Mostre a ela o caminho até mim. Enquanto isso, me adormeça em paz até que a verdade me alcance como um beijo. Tire de mim essa ânsia de ser feliz, inverta a ordem das coisas e assopre no ouvido da alegria o momento de me capturar sem volta. Que eu me aquiete na paz do merecimento, sem dar um passo ou um pio. Que apenas contemple. Que eu resista à tentação de correr para o que ainda não está pronto. Que eu me apronte para a surpresa de um dia simples. Que eu acorde como quem nasce além".


Cris Guerra

Imagem :  https://br.pinterest.com/pin/501869952201527426/

quinta-feira, 5 de janeiro de 2017

                                                 O Pássaro Cativo




                                Armas, num galho de árvore, o alçapão;
                                E, em breve, uma avezinha descuidada,
                                Batendo as asas cai na escravidão.
                                Dás-lhe então, por esplêndida morada,
                                A gaiola dourada;

                                Dás-lhe alpiste, e água fresca, e ovos, e tudo:
                                Porque é que, tendo tudo, há de ficar
                                O passarinho mudo,

                                Arrepiado e triste, sem cantar?
                                É que, crença, os pássaros não falam.
                                Só gorjeando a sua dor exalam,
                                Sem que os homens os possam entender;
                                Se os pássaros falassem,

                                Talvez os teus ouvidos escutassem
                                Este cativo pássaro dizer:
                                “Não quero o teu alpiste!

                                Gosto mais do alimento que procuro
                                Na mata livre em que a voar me viste;
                                Tenho água fresca num recanto escuro
                                Da selva em que nasci;


                               Da mata entre os verdores,
                               Tenho frutos e flores,
                               Sem precisar de ti!

                               Não quero a tua esplêndida gaiola!
                               Pois nenhuma riqueza me consola
                               De haver perdido aquilo que perdi ...
                               Prefiro o ninho humilde, construído
                               De folhas secas, plácido e escondido
                               Entre os galhos das árvores amigas ...
                               Solta-me ao vento e ao sol!

                               Com que direito à escravidão me obrigas?
                               Quero saudar as pompas do arrebol!
                               Quero, ao cair da tarde,

                               Entoar minhas tristíssimas cantigas!
                               Por que me prendes? Solta-me covarde!
                               Deus me deu por gaiola a imensidade:
                               Não me roubes a minha liberdade ...
                               Quero voar!   Voar! ... “

                               Estas coisas o pássaro diria,
                               Se pudesse falar.

                               E a tua alma, criança, tremeria,
                               Vendo tanta aflição:

                               E a tua mão tremendo, lhe abriria
                               A porta da prisão ...


                                                  Olavo Bilac

                  Poema publicado  em Poesias Infantis - http://pt.poesia.wikia.com/wiki/poesias_infantis

                             Imagem in Almanaque Cultural Brasileiro - Via  pesquisa  Google em 05.01.2017.