quarta-feira, 17 de janeiro de 2018

  
                                       Percebemos a educação de uma pessoa
                                       pela maneira como ela discorda de nós


            
           A maneira como lidamos com o que frustra nossas expectativas e com quem nos rejeita diz muito sobre quem somos, da mesma forma acontece com nossas discordâncias. Ao longo dos dias, teremos que discordar de muitas pessoas, teremos que argumentar e fazer valer o nosso ponto de vista, teremos que confrontar várias pessoas que pensam completamente diferente de nós, inclusive convivendo com muitas delas em ambientes que nos forçarão a isso.

            Não conseguiremos fugir a locais de trabalho, a salas de aula, a encontros sociais, onde haja quem discorde de nós, onde nem todos pensarão como nós. E ouviremos gente confrontando-nos em nossas convicções, desequilibrando nossas verdades, algumas vezes de forma deseducada e agressiva. Porque a muitos será impossível repensar os próprios caminhos – não sejamos nós quem não reflete sobre si mesmo.

            É extremamente saudável quando podemos confrontar nossas ideias com ideias contrárias, uma vez que é assim que rompemos com o que impede os avanços a que temos direito, à medida que oxigenamos nossa mentalidade. O mundo vive em constante transformação e essa ressignificação também deve fazer parte de nós, enquanto nos ajustamos frente ao novo, que sempre vem.

            Infelizmente, muitas pessoas confundem argumentação com gritaria, com imposição, como se todos fôssemos obrigados a dizer amém a tudo que elas dizem, como se estivessem sempre certas. Existem muitos tiranos por aí, prontos a ditar regras aos outros, impondo suas ideias e não aceitando serem contraditos, em hipótese alguma. Não sabem ouvir não, não suportam ser contrariados – os adultos mimados vida afora.

            Por permanecerem presos ao egocentrismo, por recusarem-se a crescer, acabam se destemperando além da conta quando se veem confrontados no que julgam ser inquestionável, inabalável. E encontram no tom de voz alto e na agressividade recursos com que tentam esconder a incapacidade de defender o que querem com mínima coerência. Como dizem, carroças vazias são as mais barulhentas.

            Bom mesmo é encontrar quem discorda de nós e consegue desenvolver uma discussão equilibrada, rica e produtiva. É somente assim que o conhecimento se espalha e a gente se torna melhor. Não existe quem consiga se desenvolver rodeado somente de ovelhas dóceis e obedientes, pois são as diferenças que nos tornam únicos e especiais, à nossa maneira. Mas com educação, por favor.


                                                                            Escrito por: Marcel Camargo



Graduado em Letras e Mestre em “História, Filosofia e Educação” pela Unicamp/SP, atua como Supervisor de Ensino e como Professor Universitário e de Educação Básica. É apaixonado por leituras, filmes, músicas, chocolate e pela família.

In: Artigos Educacionais

Percebemos a educação de uma pessoa pela maneira como ela discorda de nós

 Soescola   - 17 de Janeiro de 2018

Imagem:https://pixabay.com/pt/emo%C3%A7%C3%B5es-emoticon-grupo-equipe-245453/


quinta-feira, 28 de dezembro de 2017

Ano Novo



                                           Para você ganhar um belíssimo Ano Novo
                                           cor de arco-íris, ou da cor da sua paz,
                                          Ano Novo sem comparação como todo o tempo já vivido
                                          (mal vivido ou talvez sem sentido).

                                          Para você ganhar um ano
                                          não apenas pintado de novo, remendado às carreiras,
                                          mas novo nas sementinhas do vir-a-ser,
                                          novo até no coração das coisas menos percebidas
                                          (a começar pelo seu interior).

                                          Novo espontâneo, que de tão perfeito nem se nota,
                                          mas com ele se come, se passeia,
                                          se ama, se compreende, se trabalha,
                                          você não precisa beber champanha ou qualquer outra birita,
                                          não precisa expedir nem receber mensagens
                                         (planta recebe mensagens? passa telegramas?).

                                          Não precisa fazer lista de boas intenções
                                          para arquivá-las na gaveta.

                                          Não precisa chorar de arrependido
                                          pelas besteiras consumadas
                                          Nem parvamente acreditar
                                          que por decreto da esperança
                                          a partir de janeiro as coisas mudem
                                          e seja tudo claridade, recompensa,
                                          justiça entre os homens e as nações,
                                          liberdade com cheiro e gosto de pão matinal,
                                          direitos respeitados, começando
                                          pelo direito augusto de viver.

                                         Para ganhar um ano-novo
                                         que mereça este nome,
                                         você, meu caro, tem de merecê-lo,
                                         tem de fazê-lo de novo, eu sei que não é fácil,
                                         mas tente, experimente, consciente.

                                         É dentro de você que o Ano Novo
                                         cochila e espera desde sempre.

                 
                                                          Carlos Drummond de Andrade



Imagem: https://www.mensagens10.com.br/mensagem/13372

terça-feira, 26 de dezembro de 2017

Meu amor



O meu amor eu guardo para os mais especiais. Não sigo todas as regras da sociedade e às vezes ajo por impulso. Erro, admito. Aprendo, ensino. Todos erram um dia: por descuido, inocência ou maldade. Conservar algo que me faça recordar de ti seria o mesmo que admitir que eu pudesse esquecer-te.


                     William Shakespeare

Projeto Quatro Cantos do Mundo


sábado, 23 de dezembro de 2017

Poema de Natal

                                                         
                                                             
                                                                   Poema de Natal


                                                  Para isso fomos feitos:
                                                  Para lembrar e ser lembrados
                                                  Para chorar e fazer chorar
                                                  Para enterrar os nossos mortos —
                                                  Por isso temos braços longos para os adeuses
                                                  Mãos para colher o que foi dado
                                                  Dedos para cavar a terra.

                                                  Assim será nossa vida:

                                                  Uma tarde sempre a esquecer
                                                  Uma estrela a se apagar na treva
                                                  Um caminho entre dois túmulos —
                                                  Por isso precisamos velar
                                                  Falar baixo, pisar leve, ver
                                                  A noite dormir em silêncio.

                                                  Não há muito o que dizer:

                                                 Uma canção sobre um berço
                                                 Um verso, talvez, de amor
                                                 Uma prece por quem se vai —
                                                 Mas que essa hora não esqueça
                                                 E por ela os nossos corações
                                                 Se deixem, graves e simples.

                                                 Pois para isso fomos feitos:
                                                 Para a esperança no milagre
                                                 Para a participação da poesia
                                                 Para ver a face da morte —
                                                 De repente nunca mais esperaremos…
                                                 Hoje a noite é jovem; da morte, apenas
                                                 Nascemos, imensamente.

                                      ( Vinícius de Moraes, Rio de Janeiro, 1946 )



terça-feira, 19 de dezembro de 2017

sábado, 9 de dezembro de 2017

CACASO


Manhã profunda

                       para Maria Alice  

Um passarinho cantou tão triste
tão sozinho
um outro respondeu espere já vou
aí  já vou aí  já vou aí

CACASO. "Manhã profunda". In:_____. MORICONI, Ítalo (org.). Destino: poesia. Antologia. Rio de Janeiro: José Olympio, 2010.



Lar doce lar

Minha pátria é minha infância:
Por isso vivo no exílio

CACASO. "Lar doce lar" In: MORICONI, Italo (org.). Destino Poesia. Antologia. Rio de Janeiro: José Olympio, 2010.


Happy end

o meu amor e eu
nascemos um para o outro
agora só falta quem nos apresente


CACASO, . Beijo na boca. Rio de Janeiro: Sette Letras, 2000.



Cacaso (Uberaba MG, 1944 - Rio de Janeiro RJ, 1987) publicou seu primeiro livro de poesia, A Palavra Cerzida, em 1967. Dois anos depois formou-se bacharel em Filosofia pela UFRJ, em 1969. Na época já colaborava nos jornais cariocas Opinião e Movimento. Entre 1965 e 1975 foi professor de Teoria Literária na PUC/RJ. Participou nos movimentos estudantis contra o regime militar, em 1968. Em 1974 e 1975 integrou os grupos Frenesi, com Roberto Schwarz, Francisco Alvim, Geraldo Carneiro, João Carlos Pádua, e Vida de Artista, com Eudoro Augusto, Carlos Saldanha (Zuca Sardan), Chacal, Luiz Olavo Fontes, produzindo suas próprias coleções, antologias e revistas. Em 1987 conquistou o primeiro lugar no Festival de Música Som das Águas, realizado em Lambari MG, com a música O Dia do Juízo, em parceria com Sueli Costa. Sua obra poética inclui os livros Grupo Escolar (1974), Segunda Classe (1975), Beijo na Boca (1975), Na Corda Bamba (1978), Mar de Mineiro (1982) e Beijo na Boca e Outros Poemas (1985). Cacaso é um dos principais nomes da "poesia marginal" brasileira. Sua obra, influenciada por Manuel Bandeira, Carlos Drummond de Andrade e Oswald de Andrade, tematizou a política e o amor em tempos de ditadura e liberação sexual, com humor e crítica social.